terça-feira, 6 de novembro de 2018

Guia prático para escolher sua profissão


O site Guia do estudante elaborou um guia prático para que os alunos tivessem a oportunidade de procurar e se informar melhor sobre sua escolha profissional. Os 13 passos estão descritos abaixo e o link da postagem original está no final do texto.



1) Descubra quem é você
Só se conhecendo bem você consegue identificar suas preferências. Conhecer-se é fundamental para você conseguir se projetar numa carreira. Lembre-se que o trabalho costuma ocupar grande parte do dia e define um estilo de vida. Por isso, é importante que você se identifique com os temas, as pessoas e os ambientes que farão parte do seu cotidiano. Para esse exercício de autoconhecimento, considere suas características pessoais, interesse e valores, refletindo sobre questões como:
– você é introvertido ou extrovertido? Agitado ou mais tranquilo?
– tem facilidade em se relacionar com muitas pessoas, ou se sente mais confortável em pequenos grupos ou sozinho?
– prefere atividade em ambientes fechados ou ao ar livre, em contato com a natureza?
– tem espírito aventureiro, aberto a novas experiências e desafios, ou prefere uma rotina mais definida?
– que assuntos que mais o atraem? Sobre quais temas você gosta mais de se informar?
– quais seus hobbies?  O que gosta de fazer no tempo livre?
– quais são suas principais habilidades, qualidades e pontos fortes?
– e os seus pontos fracos?
– em que tipo de situação ou atividade se sente bem? Em quais se sente desconfortável?

2) Reveja o passado
Conhecer-se também é rever o passado e identificar as influências recebidas ao longo da vida, já que o ambiente em que nascemos e crescemos determina os nossos valores. Não é raro, por exemplo, alguém pensar em ser advogado porque essa é a profissão tradicional na família. Ou psicólogo, porque tem um temperamento conciliador e compreensivo. Essas opções não devem ser descartadas, mas precisam ser confrontadas com o seu perfil e um conhecimento mais aprofundado de cada área de atuação. Também é preciso ter coragem para quebrar a corrente de modelos que você seguiu até agora, conquistar autonomia com relação a seus pais e amigos.

 3) Considere sua vida escolar até então
Como foi sua vida escolar até então? Analise seu desempenho, lembre-se das disciplinas em que tinha mais facilidade ou dificuldade e considere até o seu comportamento e perfil de estudante (ser era líder, mais ou menos extrovertido etc). Porém, cuidado: não é porque gosta de História que terá que escolher esse curso. Mas é uma informação a mais que não pode ser ignorada.

 4) Projete-se para o futuro
Os orientadores profissionais são unânimes em dizer que é fundamental que a sua escolha profissional esteja atrelada ao seu projeto de vida, ou seja, ao que você vislumbra para o seu futuro. Pergunte-se como você imagina estar daqui a dez anos: Que estilo de vida gostaria de ter? Com que perfil de pessoas gostaria de conviver? E, finalmente, o que você deseja conquistar com a sua profissão?

5) Pense nas suas prioridades
Ao fazer o passo 4, alguns valores que são muito importantes para a escolha vão ficando mais claros. Para algumas pessoas, a importância dada para a realização pessoal fica muito mais evidente do que a situação financeira. Para outros, a remuneração fala mais alto. É importante você perceber o que é fundamental para você.

6) Informe-se muito
Existem mais de 250 profissões estabelecidas no mercado. E, em cada uma delas, há muitas áreas de atuação. Tente conhecer o maior número possível de cursos e profissões. O seu futuro pode estar numa área que você nem sabia que exista!

7) Veja vídeos de profissionais
Confira também se o curso que você tem interesse possui vídeo no canal Na real, que traz a rotina de diferentes profissionais. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.



8) Faça uma seleção
Depois de se informar sobre os cursos e profissões (passo 6) e assistir aos vídeos que mais lhe interessaram (passo 7), tente fazer uma lista com os cursos “finalistas”. A ideia é combinar seu exercício de autoconhecimento com as características de cada profissão.

 9) Pesquise na internet
Ao conseguir chegar em uma lista menor de possiblidades, é hora de arregaçar as mangas e descobrir se aquilo que você imagina sobre o curso condiz com a realidade. Então que tal entrar em sites de faculdades que oferecem os cursos que você mais gostou para checar informações como a grade curricular? Assim, você terá uma boa ideia do que vai encontrar durante o curso e poderá avaliar seu interesse nesses temas.

10) Visite faculdades
Se você quiser ir ainda mais fundo na sua pesquisa, o passo seguinte é visitar uma faculdade e conferir de perto como são as aulas e a rotina de estudos do curso que você tem em mente. Vá até o local, sinta o clima e troque ideias com alunos e professores. Pergunte quais são os pontos fortes e fracos do curso. Vale fazer uma listinha com tudo o que deseja saber. O importante é não ficar com dúvidas.
Veja exemplos de perguntas:
Para os alunos: quais os aspectos do curso você mais gosta? E quais menos gosta?
Além das aulas, que outras atividades são oferecidas aos alunos?
Quais as principais áreas de atuação do profissional formado?

11) Fale com profissionais
Agora que você já tem uma (ou algumas) opções em vista, que tal submetê-las a uma “prova de fogo”? Para reafirmar sua escolha (ou mudá-la enquanto é tempo) um bate-papo com profissionais da área é um tira-teima poderoso. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.

Procure, por meio de seus amigos e parentes, alguém que trabalha na área de seu interesse. Agende um encontro, de preferência no local de trabalho da pessoa. Observe o ambiente e o modo como as pessoas desempenham suas atividades. O clima é mais formal ou informal? Os horários são fixos ou maleáveis? Coisas assim simples fazem a diferença no dia a dia.
Não se esqueça de questionar como é a rotina daquele profissional. Exemplos de perguntas que você pode fazer:
Quais são as principais atividades que fazem parte da sua rotina?
Quais os pontos fortes e fracos dessa profissão?
Que características são importantes para atuar nessa área?

12) Considere o mercado de trabalho
Um outro componente importante é saber a quantas anda o mercado de trabalho da profissão de seu interesse. Quais as perspectivas de remuneração ao longo da carreira? É claro que, até você se formar, a oferta e a procura de profissionais de uma área deverá se alterar consideravelmente. Mas, se conseguir enxergar as tendências do mundo e do Brasil, ficará mais fácil perceber as carreiras que provavelmente terão boas perspectivas quando você tiver o canudo em mãos. Por exemplo, você deve saber que o mundo e o Brasil estão envelhecendo – é cada vez maior a proporção de pessoas com mais de 60 anos sobre a população total. Ao mesmo tempo, as pessoas vivem cada vez mais tempo. Isso já é uma bússola que indica que carreiras voltadas ao público da terceira idade, como geriatria e fisioterapia, tendem a se valorizar.

13) Frequente feiras de profissões
Uma boa pedida para ter as várias informações de que precisa – sobre cursos, dia a dia do profissional e mercado de trabalho – reunidas num só local é visitar feiras de profissões. Várias universidades realizam esse tipo de evento. O GUIA DO ESTUDANTE também tem a sua feira, desde 2006. Durante três dias e em um só espaço, é possível entrar em contato com as instituições de ensino superior expositoras, assistir palestras com profissionais e personalidades sobre suas trajetórias e experiências, realizar testes vocacionais e simulados e participar de gincanas e games.



fonte: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/como-escolher-a-profissao/

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Músicas do final de semana





EXAME 50 Anos – O Brasil na visão do historiador Boris Fausto



Para o historiador e cientista político Boris Fausto, o Brasil de hoje é claramente melhor que o de 50 anos atrás, quando EXAME foi criada. Mas há pelo menos um aspecto em que o país recuou: a segurança pública. Ele discute a questão nesta entrevista a André Lahóz Mendonça de Barros, diretor editorial de EXAME. Boris Fausto também analisa os legados de Lula e Fernando Henrique Cardoso, a falta de novas lideranças na política e a polarização do eleitorado. A entrevista é parte de uma série que comemora os 50 anos de EXAME.












Publicado em 27 de mar de 2018

Canais no youtube para estudar em casa








Canal reVisão!



Canal Me salva!


Canal Nostalgia






sexta-feira, 28 de setembro de 2018

A participação da mulher na política brasileira


Dia 02 de setembro de 1822 dia da proclamação da independência pela imperatriz regente, Leopoldina. 

Dia 13 de maio de 1888, Princesa Isabel, regente do Brasil, assina a lei Áurea.

Carlota Pereira de Queirós, médica, escritora, pedagoga e política brasileira. Foi a primeira mulher brasileira a ser eleita deputada federal. Ela participou dos trabalhos na Assembleia Nacional Constituinte, entre 1934 e 1935.

Marielle Franco, Socióloga com mestrado em Administração Pública, foi eleita Vereadora da Câmara do Rio de Janeiro na última eleição.


A história da participação da mulher na política brasileira é antiga e fundamental para a manutenção das estruturas do nosso país. Porém, percebemos que nem sempre a sociedade dá o devido valor a participação feminina como protagonista das nossas ações políticas. De acordo com as informações citadas, além das pesquisas referentes ao CONPOE-ME, de que forma a mulher poderia ter mais reconhecimento de sua participação na democracia brasileira?






A questão acima foi utilizada no simulado do 3º bimestre e aplicada aos alunos do ensino fundamental.

o CONPOE-ME que está descrito na questão é o projeto de poesia da escola cujo tema foi mulheres inspiradoras.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Brasília: A Construção de Um Sonho

Finalizando as postagens sobre a construção de Brasília, esse documentário que também aborda assuntos relevantes ao estudo da memória e do patrimônio da nossa capital.

Brasília - Terra de Todos Nós




Assisti esse documentário na visita ao museu vivo da memória candanga.

excelente visita e excelente vídeo.



A Saga das Candangas Invisíveis

Sinopse: A trajetória de um segmento de mulheres à margem da história oficial: as prostitutas que chegaram a Brasília ainda na época da construção da cidade, no final dos anos 50, guiadas pelo sonho de um Brasil novo. Expectativas, dificuldades, frustrações e a vida cotidiana das primeiras meretrizes da capital do País.

Ficha Técnica Direção Denise Caputo Pesquisa Bruna Machado Cesar Ferreira Denise Caputo Jandher Ernane Raíssa Ladeira Roteiro Denise Caputo Ricardo Lucas Produção Adriana Mota Denise Caputo Produção executiva adicional Rafaela Camelo Produção de finalização Adriana Mota Direção de fotografia e câmera Cícero Bezerra Assistente de fotografia Bruna Machado Som direto Cesar Ferreira Matheus Balieiro Bin Montagem Raíssa Ladeira Edição de som e mixagem Cesar Ferreira Produção musical e trilha sonora original Matheus Balieiro Bin Músicos Cleto Sampaio José Carlos Werneck Marcelo Luiz Bin Matheus Balieiro Bin Renato Ignacio Ricardo Gonçalves Stéfano Fracon Estúdios Mega Atendimento Comercial: Ariadne Mazzetti Assistente de Atendimento: Talita Meireles Tape to Tape: Rogerio Moraes Adaptação de imagem: Eugen Pfister e Lilian Stock Bonz Colocação de letreiros: Valdo Caetano e Pedro Gomide Áudio: Estudios Mega Laboratório Megacolor Supervisão Geral: David Trejo Gerente Comercial: Silvia Levy Assistente Atendimento: Claudia Reis Supervisor de Transfer: Joaquim R. Santana Assistente de Operação: Wander de Sousa Coordenação de Produção: Rosangela Amorim Assistente de Produção: Priscila Sampaio Supervisor de Revelação: Jony Sugo Preparação para Telecine: Ronaldo Ribeiro Montagem e Conformação: Paulo Ferreira Lima Operador de Color Analizer: Norio Oshikawa